Eu li: Três vezes nós


Oi gente! Recentemente terminei a leitura de Três vezes nós, da autora Laura Barnett. Vim compartilhar com vocês o que eu achei do livro. É um livro diferente, visto que ele apresenta três versões sobre as mesmas pessoas, mas com histórias diferentes. É preciso ficar atento aos detalhes, diferenças e semelhanças que cada versão apresenta. 
https://3.bp.blogspot.com/-OiF0VcSHPpo/WgzLTT7qEsI/AAAAAAAALqk/1tjM37LbCVQ8SMmFHJIUoR4kP9MAiGv6gCLcBGAs/s640/bolinhas.png
Sinopse: Uma jovem mulher com uma bicicleta quebrada após desviar de um cão. Um homem que ela poderia facilmente ter deixado passar, sem parar, levando consigo uma vida inteira, uma vida que poderia nunca ter sido dela. Eva Edelstein está no segundo ano do curso de Inglês na Universidade de Cambridge. Ela namora David Katz, estudante e aspirante a ator. A vida de Eva parece bem encaminhada, quando, no campus da universidade, ela conhece acidentalmente Jim Taylor, estudante frustrado de direito. Há três versões, três realidades diferentes para o futuro de Eva e Jim, dos anos 1950 até os dias atuais. Três vezes nós explora a ideia de que há momentos em nossas vidas que poderiam ter sido diferentes e como pequenos fatos ou decisões que tomamos podem determinar o rumo da nossa vida para sempre.
Como dito na sinopse, a história aborda a vida de Eva Edelstein e Jim Taylor e seus caminhos entrelaçados nas três versões. Não há uma correta, ou melhor. São três vezes que você ficará angustiada pelos caminhos tomados, pelas decisões erradas e, claro, feliz também. Com esse livro, a gente vê de uma forma muito bem contada pela autora, uma vida inteira passando pelos nossos olhos. Literalmente, desde o nascimento dos personagens até o final da vida de outros personagens, primários ou secundários.

E o destino. Esse livro é sobre destino. Não sei se você acredita. Mas nesse livro, a autora mostra como independente dos caminhos que você escolhe percorrer, se for pra ser, você sempre irá terminar como é para terminar. Ao final do livro, percebi duas coisas: se você desviar sua rota, tudo bem, é porque foi preciso passar por este caminho e conhecer determinadas pessoas; segunda: "e se" é algo muito bem trabalhado no livro, mas pouco explorado pelos personagens. Eles não enfrentam o que querem de verdade, vivem no "e se". Mas, tudo bem. Como eu disse, esse livro é sobre destino. Apesar dos "e se", no final se for pra ser, será.

Mesmo a história me agradando, confesso que fiquei um pouco perdida com as três versões. Reforço, é um livro que precisa prestar atenção. Muitas vezes uma versão terminava com um acontecimento e na próxima versão, já era apresentando as consequências da última versão. Mas, cada um com sua particularidade. No entanto, se prestar atenção aos acontecimentos e nos personagens, não terás problema. Por tanto, recomendo o livro!

Páginas: 384 | Editora: Novo Conceito | Nota: 4.5

https://3.bp.blogspot.com/-OiF0VcSHPpo/WgzLTT7qEsI/AAAAAAAALqk/1tjM37LbCVQ8SMmFHJIUoR4kP9MAiGv6gCLcBGAs/s640/bolinhas.png

E aí, já leram Três vezes nós? O que acharam? Beijos!

Série: The Blacklist


Oi gente! Hoje vim indicar a série The Blacklist (Lista Negra). Não lembro quando comecei, só sei que devorei todas as temporadas disponíveis na Netflix, exceto pela última que chegou recentemente (sem ser no streaming, a série conta com oito temporadas). É com certeza uma série viciante. Mas, posso adiantar que quem acha cansativo aqueles episódios que sempre resolvem um crime enquanto a narrativa da história vai desenrolando, repense em assistir hahaha.

Eu confesso que sou fã de qualquer série desse gênero, por isso me encanto fácil com essa temática. No entanto, apesar de cada episódio solucionar um caso de um criminoso que tem ligação com o personagem principal, The Blacklist é diferente, pois a narrativa te prende de uma forma que você quer saber qual é o segredo principal de Raymond Reddington e isso vai sendo levado até a temporada atual.
Sinopse: Raymond Reddington é um dos criminosos mais procurados pelo FBI. Até que um dia ele decide se entregar misteriosamente à agência, oferecendo com ele uma lista de importantes nomes da comunidade do crime. Ele deseja participar ativamente da captura de tais criminosos e faz uma única exigência: só falará com a novata agente Elizabeth Keen. (Fonte: Adoro Cinema)
The Blacklist se tornou uma das minhas séries favoritas. Os personagens desenvolvem bem seus papeis e os episódios sempre são sobre casos que tem relação com o desenrolar da história que está relacionado com o segredo do vilão. No geral, é uma série que recomendo, é envolvente e cativante. Vale a pena assistir se você gosta desse gênero.


E aí, alguém já assistiu The Blacklist? O que acham da série? Beijos!

Balanço de leituras da quarentena


Oi gente! Hoje senti saudades do meu espaço, repaginei o layout e cá estou escrevendo sobre as leituras que realizei desde a última resenha (veja aqui). Apesar de ter um card escrito "na minha estante" (na coluna direita do blog), esse livro foi deixado de lado para que eu desse lugar para outras leituras.

Resolvi fazer uma balanço de leituras ao invés de uma resenha para cada livro. As chances de não sair resenha para esses livros seriam grandes. Gostaria de saber se vocês já leram alguns dos livros que irei apresentar logo mais e quais foram e estão sendo as leituras de vocês neste tempo de pandemia da COVID-19.

Teto para Dois: Li em menos de duas semanas. É uma história gostosa e envolvente, que fala sobre dois indivíduos que decidem dividir o apartamento (e a cama) em horários diferentes. Ela usaria durante a noite e ele durante o dia. É uma leitura cativante, pois você vai devorando as páginas na esperança dos protagonistas se verem pela primeira vez (isso não aconteceu quando firmaram o acordo). Além de abordar um assunto muito importante no livro. Vale a pena a leitura e as expectativas que surgem ao longo da leitura são enormes!
Comunicação dos trabalhadores e hegemonia: Uma leitura para a faculdade. Quando eu, inocentemente, achei que a quarentena ia ser somente de quinze dias, aproveitei para ler esse livro para desenvolver uma resenha. Mesmo estando quase cinco meses em casa, a leitura foi de grande proveito. Abordou temas que eu me interesso e de quebra, deu dicas sobre a escrita, que desde então, estou usando. Mesmo sendo uma leitura fora do meu "padrão de leitura", foi satisfatório.
Sejamos todos feministas: Que livro incrível! A autora aborda sobre o feminismo no século XXI e a importância de falar sobre o assunto entre todos os gêneros. É uma leitura curta, rápida e de grande ensinamento. Chimamanda Ngozi Adichie fala sobre vivências e experiências relacionados ao machismo, trazendo uma discussão sobre algumas relações tão enraizadas em nosso cotidiano que passaram a ver vistas como algo natural. É tão bom e curto, que dá um gostinho de quero mais.
De bala em prosa: O livro, que reúne textos de vários autores, é forte, impactante e necessário. É uma leitura carregada de sentimentos, que aborda sobre o racismo estrutural e o Estado genocida. Traz uma reflexão acerca de nossos comportamentos e práticas. É uma excelente leitura para pensarmos em nossas atitudes e como podemos ajudar a construir uma sociedade mais justa e antirracista.
O amanhã não está a venda: Leitura rápida e reflexiva. Nós somos piores que o vírus. Essa frase me marcou quando estava lendo este livro, porque traz uma reflexão sobre o nosso comportamento como humanos versus natureza. O que pesa mais? Vidas ou a economia? O autor traz uma crítica muito importante sobre o nosso estilo de vida e as consequências que ele traz para o planeta que vivemos. Após a leitura, me senti inspirada e escrevi este artigo: A natureza clama(va) por silêncio. Recomendo a leitura do livro (e do artigo, rs!).
A princesa salva a si mesma neste livro: Trata sobre temas importantes e contemporâneos. Sobre a força feminina. Apesar de ter classificado com quatro estrelinhas, eu confesso que senti um desapontamento com o livro, talvez pela sua estrutura ou pela falta de conteúdo em alguns momentos. Não foi uma das melhores leituras da quarentena.
Orgulho e Preconceito: Eu tinha grandes expectativas e meu medo era iniciar a leitura e me decepcionar. Mas, resolvi dar uma chance. E que chance certeira! Agora eu entendo a paixão que todos (que gostam) têm por este livro. Ele é simplesmente maravilhoso, cativante e apaixonante. Mesmo com um linguajar antigo (na versão que eu li), a leitura flui de uma maneira tão gostosa. Eu fica ansiosa pelos diálogos de Elizabeth e Mr. Darcy, pelos desencontros e encontros. Jane Austen, entenda, você é perfeita! Quem ainda não leu, por favor, leia logo!
Essas foram as leituras neste período de isolamento social. Literalmente, eu fiz um balanço geral. Quanto as próximas leituras, pretendo trazer uma resenha específica para cada uma. E, se você tiver interesse em saber sobre minhas leituras, eu atualizo quase sempre meu SKOOB.

E aí, quais livros vocês leram neste período de isolamento?

Documentário: Minha História | Michelle Obama

Foto: Netflix

Oi gente! Assisti nesse final de semana o documentário Minha História, que chegou recentemente na Netflix. O documentário mostra os bastidores da turnê de lançamento da autobiografia de Michelle Obama, ex-primeira dama dos Estados Unidos. Inclusive, já teve resenha do livro aqui no blog.

O documentário, assim como o livro, são emocionantes. Durante uma hora e meia, nos é apresentado fragmentos do que é contado no livro, além de mostrar os bastidores de como foi a turnê de lançamento do livro Becoming, mostrando rodas de conversa da Michelle com adolescentes e outros grupos. Foi muito interessante e tocante ver o quanto muitos jovens sentiram-se sentem-se inspirados com a trajetória da ex-primeira dama. 

Michelle ressalta inclusive para um dos adolescentes que o que mais importa é a história deles e não qual faculdade eles frequentaram, mas sim, o que motiva eles a seguirem em frente. Entre outros depoimentos, têm os da comunidade negra que relataram que pela primeira vez, sentiram-se representados e imaginaram que esse dia (em que um presidente e primeira dama negros, ocupariam o cargo na Casa Branca) nunca pudesse chegar. 

Quem leu o livro sentiu que com esse documentário foi como se preenche um buraco que nem sabia que existia. Foi um complemento do livro que tornou a pessoa Michelle Obama mais carismática ainda e que deve ser reconhecida pelo seu trabalho de se envolver com os grupos adolescentes, que hoje sentem-se desmotivados e sem esperança. Acho ela uma inspiração! Então, recomendo a leitura do livro e, também, o documentário.


E aí, vocês já viram o documentário ou leram o livro? Beijos!

Pressa de ser feliz | Matheus Rocha


Oi gente! Como estão? Espero que aguentando firme nesta quarentena, logo tudo passa. E para passar meu tempo, estou continuando minhas leituras. O livro dessa vez é Pressa de ser feliz do escritor Matheus Rocha. O livro reúne uma série de crônicas em que o assunto principal é a ansiedade.
"Ás vezes, escolhemos lutar contra monstros mentais que nem pedem socos e pontapés. Abrace-os. Sentir não é errado. Significa que você não tem um coração enorme. Um peito em que cabe muita coisa. Então... Só... Sinta. Sinta até a última gota de sentimento. Depois, lave o rosto, sacuda a alma e levante-se. Viver não é só sorrir. Viver, é, também, ficar em silêncio. Ainda que cheio de barulho por dentro. E tudo bem. Isso não quer dizer que você não é feliz. A felicidade tem um conceito deturpado que, se a gente observar bem, já é feliz e nem sabe. Ou finge que não. Ou pensa que não. Ou se confunde. Para ser sincero... estamos todos confusos. Até as certezas absolutas podem mudar. Nada, no fim das contas, é tão absoluto assim."
https://3.bp.blogspot.com/-OiF0VcSHPpo/WgzLTT7qEsI/AAAAAAAALqk/1tjM37LbCVQ8SMmFHJIUoR4kP9MAiGv6gCLcBGAs/s640/bolinhas.png
Com uma escrita gostosa, Matheus trata da ansiedade de uma forma leve e como ela é presente em vários momentos da vida dele. Mais da metade dos indivíduos existentes neste mundo sofre de ansiedade. Eu sofro de ansiedade e ela foi desencadeada com mais vigor em 2018, no entanto, conhecendo mais sobre, eu notei que desde pequena eu sou ansiosa. 

As crônicas do Matheus são leves e, como eu disse, ele trata do assunto de uma forma tranquila, abordando como a ansiedade muitas vezes atrapalhou o nosso cotidiano e algumas decisões que tomamos ao longo da vida. O autor ainda conta como ele resolveu desafiar a ansiedade, colocando em tópicos o que ele faz para amenizar esse sentimento.

Algumas crônicas me abraçaram mais que as outras, acredito que por questões de identificação. É legal destacar que o Matheus ele não fala sobre a ansiedade como especialista e sim, como quem sofre com ela. O que gera ainda mais esssa identificação com alguns pontos levantados por ele. Pressa de ser feliz é dividido em três partes: começos, meios e fins e dentro de cada crônica nessas divisões ele trata a ansiedade por outras perspectivas, nos fazendo refletir sobre esse sentimento de diversas maneiras.

Outra coisa que quero falar é sobre a diagramação do livro. Que amor a paleta de cores e as ilustrações. Tudo contribuiu para que eu me encantasse com o livro e o conteúdo. No entanto, apesar de ter gostado muito da leitura e de alguns pontos, percebi que esse tipo de livro (não as crônicas em si) não é um dos meus favoritos, mas gostei de conhecer uma das obras de Matheus Rocha.
https://3.bp.blogspot.com/-OiF0VcSHPpo/WgzLTT7qEsI/AAAAAAAALqk/1tjM37LbCVQ8SMmFHJIUoR4kP9MAiGv6gCLcBGAs/s640/bolinhas.png
Páginas: 208 | Editora: Outro Planeta | Nota: ♥♥.5


E aí, já leram as crônicas do Matheus Rocha? Beijos e até a próxima!